NOR

TEA

NÚCLEO DE LABORATÓRIOS TEATRAIS DO NORDESTE

OBJETIVOS

POR QUE UM NÚCLEO NO NOR

DESTE?

“O teatro não pre-existe nem transcende aos corpos no palco. Todo espetáculo nasce com data de vencimento, como a existência profana e material se dissolve no passado e não há forma de conservá-la.

Não há, em consequência, fórmula para conservar o teatro. Lembrar o teatro passado desde o presente significa consciência de perda, de morte, percepção de dissolução e do irrepetível”

Jorge Dubatti “Teatro Perdido”

 

 

O que é o Nortea?

O Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste é uma iniciativa inédita que desde o ano 2008 pretende criar um circuito de discussão sobre processos, estéticas e formas do fazer teatral entre os grupos de teatro profissionais do Nordeste em contato com outras agrupações de outros estados as quais se dedicam à pesquisa, se autodenominando grupos laboratórios. O que aglutina esses grupos não é a coincidência de temas ou procedimentos, mas a constante procura por formas originais de expressões teatrais. Caracterizam-se também por centrar seus interesses na cultura de onde estão inseridos, sem pretensões etnocentristas, e ainda por se engajarem em um processo interdisciplinar e intercultural.

 

Uma vez aglutinados em um núcleo comum, estes grupos terão facilitadas a troca de vivências e processos, criando um círculo de discussão sobre treinamento, estéticas, ensino e formação de novos profissionais, relacionamento com público e conquista de linguagens; sempre regidos pela especificidade de atuarem no nordeste do Brasil, área de múltipla tradição cultural, e, ao mesmo tempo, pouca inserção na esfera de tomada de decisões de políticas e empreendimentos culturais.

 

Dentre os objetivos do Núcleo, pretende-se implementar continuamente possibilidades de intercâmbio e residências artísticas entre os grupos, apoio à criação e manutenção de grupos de teatro no nordeste, parcerias com Festivais e Eventos que fomentem a circulação e o intercâmbio, repercussão nas Universidades e Escolas de Teatro através dos programas de Pesquisa e Pós-Graduação, fomento à consolidação do Teatro de Rua e Teatro Popular.

O que são Laboratórios Teatrais?

Os Laboratórios Teatrais surgem como uma necessidade do homem de teatro que se inclina à investigação.

O antigo conceito de Companhia Teatral, que tem se permeado de um sentido comercial, é aqui substituído pela idéia de uma associação de companheiros num coletivo de trabalho. Este coletivo não procura a permanência de idéias e definições. Antes pelo contrário, se pretende em constante desenvolvimento, através da troca de experiência entre seus integrantes, e da sabedoria adquirida através da pesquisa teórica e da práxis conquistada pelo estudo da natureza criadora das artes cênicas.

 

No conceito de Laboratório, as formas de expressão se re-postulam constantemente. Não há uma hierarquia de formas cênicas, nem predominância de um componente do fato teatral sobre o outro: é possível a subversão das propostas do autor dramático, a inserção de manifestações espetaculares de toda ordem, oriundas da dança, dos folguedos populares e dos rituais. A pesquisa laboratorial propõe justamente a submersão nas fibras mais inquietas que movem a criação teatral. A investigação do aparelho psicofísico do ator é ponto central de interesse nesse trabalho.

Finalmente, como o próprio termo indica, Laboratórios são campos de experimentação que, sem perder de vista a inserção no mercado e os mecanismos de produção cultural, privilegiam a importância do trabalho processual, contínuo, independe

Objetivos

O principal objetivo do Núcleo é a criação de um circuito de discussão e troca de informações e experiências entre os grupos laboratoriais de teatro do nordeste brasileiro.

 

Esse circuito pode ser efetivado em diferentes e simultâneas linhas de atuação, cujos propósitos são:

 

Propiciar o intercâmbio de conhecimentos adquiridos, através de proposições mútuas de oficinas, residências, demonstrações de trabalho, fóruns, colóquios, debates e processos de montagem entre grupos e/ou participantes de grupos, além de convidados do cenário artístico / pedagógico nacional e internacional.

 

Semear e cultivar a pesquisa atrelada diretamente ao processo criativo, onde os produtores da pesquisa sejam aqueles que trabalham com as ferramentas da práxisteatral.

 

Descentralizar a convivência com a pesquisa e a investigação, geralmente restritas ao ambiente universitário, estimulando a produção literária, artística, editorial e de pesquisa dos grupos envolvidos.

 

Ao mesmo tempo, estabelecer pontes com a pesquisa produzida no ambiente acadêmico, através da participação em colóquios, seminários e eventos promovidos por estas entidades; contato com professores e pesquisadores da área, para promoção de iniciativas conjuntas de pesquisa e divulgação (publicações, apresentação de trabalhos em eventos, etc.).

 

Fortalecer grupos já existentes e incentivar a criação de novos grupos, através das seguintes ações: discussões sobre criação de cooperativas teatrais; formas e soluções encontradas para produção de espetáculos e manutenção das atividades; canais de financiamento; relato de locais e métodos de formação de novos artistas e capacitação de profissionais já experientes; formas de circulação e inserção no cenário artístico nacional e internacional por meio de festivais, editais, etc.

 

Propiciar o deslocamento dos laboratórios teatrais por todo o país, dando-lhes a oportunidade do confronto com diferentes platéias.

 

Discutir formas de sugerir e cobrar do Governo e do Estado políticas de financiamento à pesquisa teatral.

 

Implantar o intercâmbio regular com artistas e pesquisadores do cenário nacional e estrangeiro.

 

Preservar as linhas de pesquisa e investigação próprias a cada grupo, evitando a contaminação ou homogeneização dos laboratórios integrantes desta congregação.

Por que um Núcleo no nordeste?

Porque a região nordestina, onde nos inserimos, possui ainda poucas iniciativas de criação de centros de investigação artística, especialmente os voltados para as fontes culturais locais. 

 

Apesar de seus 49 milhões de habitantes representarem 30% da população brasileira, esta região também tem, relativamente às outras regiões do país, pouca representatividade nas esferas de tomadas de decisão de políticas e investimentos na área cultural. Embora não seja o ponto central do interesse deste Núcleo a atuação junto a tais esferas, compreendemos que, organizados em torno de ideais comuns de produção e veiculação de nossas pesquisas artísticas, podemos chamar a atenção para a existência desses grupos e desse tipo de produção.

 

Além disso, o Nordeste é rico em diversidade geo-social e cultural, o que lhe garante uma herança de tradições, folguedos e manifestações populares de altíssimo valor conceitual, agregado de valores sociais relevantes: a dança, a literatura de cordel, os ritmos musicais variados, os movimentos de valorização da cultura popular (do qual o Movimento Armorial, de PE, é o exemplo mais visível), as festividades do carnaval e do ciclo junino, as formas rítmicas que mesclam linguagens diversas, como repentes, trovas e emboladas.

 

Todo esse cabedal, que ainda e sempre permanece subdimensionado sob a genérica abordagem de “cultura popular nordestina”, tem sido fonte de alimento para pesquisas teatrais de diversos grupos, sendo reelaborado em linguagens contemporâneas. 

 

A criação de um Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste pretende alimentar e dar visibilidade a essa diversidade.

a audeproduções