Preferiria ela entre Rio Bravo e a Patagônia.

July 11, 2014

RIDÍCULO (um jornalismo podre)

 

Entendo a tristeza do torcedor brasileiro quando perdeu contra Alemanha, mas para além do sentimento forte que o Brasil desenvolve pelo futebol acho um exagero essa imprensa oportunista que fica vociferando aos quatro ventos que há criançinhas deprimidas e pessoas traumatizadas. Na Band News escutei ontem dicas de uma psicoanalista para superar a decepção, no Jornal da Globo os sábios condutores de tão lastimável programa mostrando imagens de crianças chorando e se perguntando em pleno programa como é que essas crianças vão superarr esse trauma, além dos solavancos e batidas que oferecem para o time brasileiro, sem piedade, como se aqueles jogadores fossem os defensores desta Pátria abandonada que me faz lembrar aquele espetáculo de Cibele Forjaz que assisti há um tempo atrás e saí dizendo: “Em metáforas é o Brasil, uma Calunga Grande, que nunca sabemos para onde navega e fica aí, navegando, navegando... “ Como se o Brasil não tivesse outra coisa do quê se orgulhar. Olha, é ridículo! O Brasil pode ser, como de fato é, o pais do futebol, mas daí a fazer de um esporte o centro das depressões de crianças e torcedores acho traumático e doentio para uma sociedade culturalmente tão rica quanto a brasileira.

 

 

ORGÂNICO (por um vizinho admirável)

 

Todo movimento e ação dos homens representam gestos e movimentos políticos, porque somos seres políticos e o futebol não deixa de ser-lo, ao contrário, sendo um poderoso encontro esportivo faz dele uma grande força política de representatividade internacional.

Torcer por qualquer outro pais que não seja um vizinho daqui, perto, é continuar torcendo politicamente por aqueles de longe que já nos cansamos de admirar, como se fossem os nossos padrões-deuses-intocáveis.  Olhemos para o lado.

Me deteve há um bom tempo a observar como o argentino é depreciado pelo brasileiro, em brincadeiras e bem em sério. Eu também nunca fui muito fã da maneira de expressar e exteriorizar sentimentos e pensamentos dos argentinos, até o momento no qual esteve na terra deles, até o momento no qual comecei a estudar a cultura deles, pelos processos árduos e dolorosos que aquela Pátria atravessa. Para conhecer bem o argentino há que passear pela rua Corrientes y entrar e sair de mais de 50 livrarias e ver como o povo argentino consome cultura e conhecimento. Há que conhecer Palermo e outros belos bairros para desfrutar a arquitetura da cidade, para entender o por que eles são tão orgulhosos e “pedantes” e de como eles produzem cultura, como são paixão e força, mas também delicadeza e conteúdo. Por isso acho orgânico torcer para Argentina ganhar a Copa. Até porque o castelhano parece mais conosco do que o saxão, porque a língua é cultura e também junta os povos.

Os Argentinos tem também uma terra de futebol, mas ele faz parte da cultura deles, não é a sua cultura toda. Argentino não levanta bandeiras somente em tempos de Copa (a cada 4 anos), eles se orgulham e muito de serem argentinos, eles tem muito claro que futebol é futebol assim como Tango é Tango e nada mais que comprometa a existência total da sua vida pois eles pensam complicado, não são tão simplórios assim.

Por isso acharia um ato feliz e cordial brasileiros vestirem de azul e branco e torcer e muito para que a Copa fique aqui, pertinho de nós, deixando ela repousar entre o Rio Bravo e a Patagônia.  

 

Luis Alonso. 10.07.2014

Please reload

Featured Posts

Cultura em Salvador. Entre Politicas de Estado e Eventos-Shows da Prefeitura

May 14, 2014

1/3
Please reload

Recent Posts

September 17, 2014

Please reload

Pesquisa por Tags
Please reload

a audeproduções